EXCLUSIVO – Inundação e desativação de poço da Sabesp estão provocando falta de água em Assis

A Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo – Sabesp – tem evitado se manifestar sobre as constantes faltas de água registradas em Assis desde a última sexta-feira, dia 15 de setembro.

Desde sábado, dia 16, um carro de som contratado pela Sabesp tem circulado pela cidade pedindo à população para que economize água, evitando lavar calçadas ou veículos.

Um comunicado oficial da empresa também foi enviado a alguns órgãos de imprensa alertando sobre o risco de falta de água, mas a principal informação: o motivo da falta de água até agora, oficialmente, não foi revelado.

O Jornal da Segunda On Line, por contra própria, decidiu buscar essa informação negada pela empresa.

A resposta mais provável que encontramos talvez seja a inundação de um poço de captação de água localizado na zona rural, próximo aos bairros rurais Água do Matão e Água do Pavão.

Tentamos chegar ao local, mas foi quase impossível.

As águas, possivelmente provenientes das galerias dos novos conjuntos habitacionais localizados nos altos da avenida Rui Barbosa, inundaram e esconderam os maquinários e até as edificações de um poço que captava a maior parte da água armazenada nos dois reservatórios na vila Fiuza (foto).

Sem condições de funcionar, o poço foi desativado na semana passada.

Um funcionário aposentado da Sabesp esteve no local a convite da equipe do Jornal da Segunda On Line e ficou impressionado com o que viu.

Ou melhor: com o que não viu: “está tudo debaixo da água e lama”, assustou.

Segundo ele, naquelas condições, “o poço não tem mais capacidade de fornecer água”, garante.

Sem a água daquele poço que, segundo o aposentado da Sabesp, teria capacidade de vazão de 60 metros cúbicos de água por hora e um total de 1.200 metros cúbicos em 20 horas de funcionamento por dia, com certeza a cidade sofrerá com a falta de água em várias regiões.

É o que está acontecendo.

A Sabesp não confirma, mas também não nega essa informação.

Só explica que um novo poço, numa região mais elevada, estaria sendo construído, mas a obra não deve ser concluída em menos de 60 dias.

Enquanto isso, uma alternativa, segundo o mesmo funcionário consultado pelo Jornal da Segunda On Line, seria tentar usar a água de um outro poço nas imediações do sítio da Comunidade Restauração, próximo à SP-270, que tem uma capacidade de vazão menor. “Isso já minimizaria a situação”, aposta.

A Sabesp não quis se manifestar sobre essa alternativa. “Em breve, a companhia está se manifestando de maneira oficial sobre o problema  as alternativas de solução” esquivou-se o gerente divisional, José Roberto Beszon, procurado pelo JSOL.

A falta de água em Assis tem sido registrada principalmente no início da noite, entre 19 e 21 horas. Depois desse horário, a situação começa a se normalizar.

“É exatamente nesse horário, que, sem água suficiente, os reservatórios não conseguem mandar água para a central da Sabesp e redistribuir às residências”, confirmou o aposentado ouvido pelo Jornal da Segunda On Line.

Enquanto a Companhia de Saneamento Básico – Sabesp – não se manifesta a respeito, a alternativa da população é atender a orientação dada pela empresa e economizar água, mesmo com temperaturas tão elevadas durante todo o dia.

 reservatório da vila fiuza

Falta água nos reservatórios da Vila Fiuza

Veja também

A132 – URGENTE – Acidente com vítima fatal no centro da cidade

Mais um acidente de trânsito com vítima fatal. Desta vez no centro de Assis, na …

Deixe uma resposta